Comissão Própria de Avaliação

 

O que é CPA?

 

A Lei Federal nº 10.861, de 14 de abril de 2004, instituiu o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes), que preconiza que toda instituição de ensino superior, pública ou privada, constituirá uma Comissão Própria de Avaliação (CPA), responsável pela autoavaliação da Instituição considerando, obrigatoriamente, os cinco eixos, que são:

  • Eixo 1 - Planejamento e Avaliação Institucional
  • Eixo 2 - Desenvolvimento Institucional
  • Eixo 3 - Políticas Acadêmicas
  • Eixo 4 - Políticas de Gestão
  • Eixo 5 – Infraestrutura

 

A Comissão Própria de Avaliação da Universidade Estadual do Tocantins (CPA/Unitins) realiza o processo de autoavaliação da instituição, com base nos princípios do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes).

 

O objetivo da autoavaliação é identificar as condições do ensino, da pesquisa, da extensão e da gestão, suas potencialidades e fragilidades.

 

Os resultados do processo de autoavaliação, consolidados em um relatório, representam importante subsídio para que a instituição execute ações para corrigir as fragilidades e manter as potencialidades identificadas, com vistas à melhoria da sua qualidade.

 

A autoavaliação deve ser um processo cíclico, de reflexão e autoconsciência institucional. Criativo e renovador de análise e síntese das dimensões que definem a instituição. Um processo em que quem participa conquista direitos.

 

Os principais objetivos da CPA são:

  • Promover o autoconhecimento da Instituição;
  • Identificar fragilidades e potencialidades apontadas pela comunidade acadêmica;
  • Aumentar a consciência pedagógica e a capacidade profissional do corpo docente e técnico-administrativo;
  • Fortalecer as relações de cooperação entre os diversos atores institucionais;
  • Tornar mais efetiva a vinculação entre a Instituição e a comunidade;
  • Prestar contas à sociedade.

 

O que a CPA avalia na universidade?

Baseando-se nas exigências do Ministério da Educação, através do Sinaes, a CPA avalia as seguintes dimensões:

  1. Missão e PDI;
  2. Políticas para o ensino e pesquisas;
  3. Responsabilidade Social;
  4. Comunicação com a sociedade;
  5. Políticas de pessoal;
  6. Organização e Gestão;
  7. Infraestrutura;
  8. Planejamento e Avaliação;
  9. Políticas de atendimento,
  10. Sustentabilidade financeira.

 

O que sua CPA tem para partilhar? Quais as melhores práticas desenvolvidas por sua Comissão Própria de Avaliação?

A CPA da Unitins constrói suas avaliações institucionais de forma democrática e participativa, possibilitando a integração discente, docente e administrativa no contexto da execução das questões a serem abordadas. Desta forma, todos os agentes envolvidos no processo se sentem partícipes da avaliação e motivados a divulgar e envolver a comunidade nesta ideia. Nos períodos de avaliação, a equipe de TI e Diretoria de Comunicação (Dicom) dão todo o suporte de consulta rotineira de dados e publicidade, de forma que possamos nos orientar frequentemente acerca da adesão e que possamos abordar diretamente os envolvidos que ainda não tenham procedido à resposta. Os integrantes da gestão de topo da instituição, diretores de campus, coordenadores de curso, NDE e representantes discentes são integrados à equipe de divulgação e capacitados para orientar os participantes à resposta da avaliação.


Qual foi a ação de sensibilização para a participação no processo avaliativo de maior êxito já desenvolvida em sua IES?

Reuniões frequentes com a gestão de topo da instituição, diretores de campus, coordenadores de curso, NDE e representantes discentes afim de mobiliza-los quanto à necessidade de suporte na divulgação da avaliação. Participação da CPA nas reuniões de colegiado do curso e chamamento para apoio dos docentes. Participação da CPA nas reuniões de Centros e Diretórios Acadêmicos afim de mobilizar os discentes quanto à avaliação. Mobilização da equipe de TI e Dicom para publicidade rotineira sobre a avaliação institucional.


O relatório precisa ser divulgado, mas como garantir a apropriação dos resultados autoavaliativos pela comunidade acadêmica?

Após a sistematização dos dados da avaliação, são confeccionados gráficos que expressam claramente as respostas. Todas as fragilidades encontradas nas respostas são encaminhadas à Gestão de Topo da instituição e às coordenações para que os mesmos se manifestem sobre as ações que estão sendo ou serão realizadas para converter as fragilidades em potencialidades. Após os apontamentos realizados pela gestão e coordenações, os dados são novamente sistematizados e encaminhados às coordenações de curso para que os mesmos possam definir os docentes que darão os feedbacks em sala de aula (para todos os períodos). Neste feedback é evidenciado aos discentes as potencialidades diagnosticadas e o que a instituição tem feito para melhorá-las a cada dia. É evidenciado também as fragilidades e discutido junto aos discentes o que a instituição tem feito para converte-as em potencialidades. Após esta apresentação é gerado um documento dentro de sala de aula, expressando as discussões e assinado por todos os discentes.


Quais os impactos mais significativos produzidos pela autoavaliação em sua IES?

A gestão de topo da Unitins é extremamente sensível aos resultados das avaliações da CPA no que tange programas e processos de melhoria contínua dado as inconformidades diagnosticadas. Nos Planejamentos Estratégicos realizados semestralmente, ações são delineadas para que algumas das inconformidades possam ser mitigadas ou reduzidas ao máximo. A autoavaliação permite à gestão, sob a visão discente, docente e administrativa, visualizar o que tem desmotivado, depreciado e reduzido a capacidade de produção de seus colaboradores. Este indicador facilita o processo de tomada de decisão pontual, eliminando gargalos que impactam negativamente na imagem da Universidade.


As dez dimensões dos Sinaes trazem uma perspectiva global e integradora para uma avaliação, mas não exaurem as possibilidades da autoavaliação. Há boas práticas sendo conduzidas pela CPA em sua IES relativas a outras dimensões?

Sempre que necessário, na maioria das vezes demandado pelos coordenadores de curso, diretores de campus e gestão de topo, questionários pontuais são realizados para diagnosticar a percepção discentes e docentes e administrativo sobre algumas ações institucionais. Por exemplo, algumas vezes são realizadas pesquisas de clima organizacional; Pesquisas de Avaliação Docente pelo discente (específicas); Avaliação dos eventos realizados pela gestão e pelos cursos dentre outros. Sempre que necessário, avaliações fora das dez dimensões determinadas pelo Sinaes são realizadas para que a instituição possa se balizar quanto às conformidades e inconformidades pontuais de determinados eventos, ações ou programas.

 

 

162
Ouvidoria
Geral do Estado do Tocantins
Acesso à Informação
Portal da Transparência
Demonstrativos da UNITINS